Promover o apoio ao Cuidador é uma necessidade premente

                                       

  Todos os que já passaram pela experiência de cuidar de alguém conhecem as  angústias que sentiram por não terem a certeza de estar a fazer bem e de não  conseguirem informação.
                                                                

Promover o apoio ao Cuidador Familiar/Informal e ao Cuidador Profissional que sob diversas categorias profissionais desenvolve a sua atividade apoiando no quotidiano pessoas vulneráveis e dependentes nas suas casas ou em equipamentos da área da saúde ou do apoio social, é uma necessidade que se vem tornando cada vez mais evidente à medida que evolui o envelhecimento da população.

Citando o estudo da OCDE de Maio de 2011 (Providing and Paying for Long-term care):
-…com o envelhecimento eleva-se a despesa com o apoio a pessoas dependentes (das pessoas com mais de 65 anos, 25% têm algum tipo de dependência e das que têm mais de 80 anos, metade necessitam de apoio continuado;
-…cerca de 70% do apoio a pessoa dependentes é efectuada no próprio domicílio; e a população que recebe apoio em instituições (30%) absorve 60% da despesa total;
-…os Cuidadores Familiares representam 1% a 2% da população activa e 2/3 são mulheres;
-…o internamento crescente de pessoas dependentes, para além dos efeitos negativos da institucionalização, exercerá uma forte pressão financeira nos sistemas de saúde e apoio social;
-…é necessário apoiar os Cuidadores Familiares (família e amigos) munindo-os de apoio, informação e suporte que lhes permita prosseguir a difícil tarefa de cuidar.

É hoje incontornável a necessidade de envolver o cidadão na gestão da sua saúde, e de apoiar e reconhecer o papel dos Cuidadores Familiares.

É indispensável transpor os conhecimentos científicos para o quotidiano da prestação de cuidados, numa linguagem clara e acessível para quem cuida.

Saber Cuidar com Respeito, Dignidade e Qualidade é sem dúvida um dever de cidadania das sociedades modernas: o nível de cidadania duma sociedade, no futuro, irá também ser medida pela forma como essa sociedade se souber organizar para CUIDAR das pessoas mais vulneráveis.

A Família e os Cuidadores: Familiares e Profissionais


A Família continua a constituir a base da sociedade e o grande suporte no apoio ao envelhecimento, doença e dependência dos seus familiares.

Tal como por toda a Europa é bem patente em Portugal o envelhecimento demográfico da população portuguesa:

a) Em Portugal, de acordo com o Censo de 2011, o número de pessoas com mais de 65 anos é de 2 030 000, mais 28% que em 2001;
b) A população com mais de 65 anos representa 19% da população portuguesa: 31% na Região Norte, 26% nas Regiões do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, 9,1% no Alentejo, 4,4% no Algarve, 2% na Madeira e 1,6% nos Açores;
c) 60% da população idosa vive sozinha ou com outros idosos:
-400 964 idosos vivem sozinhos ;
-804 577 idosos vivem na companhia de outros idosos.
Entre os idosos sós, verifica-se um peso muito significativo de Mulheres (cerca de 80%) traduzindo uma esperança de vida mais elevada, e um mundo idoso predominantemente feminino.

Já á em 2002 a Organização Mundial de Saúde estimava que “…nos próximos 20 anos aumentarão em 300% as necessidades em cuidados de saúde da população idosa, paralelamente a um aumento acentuado da prevalência de doenças crónicas de evolução prolongada; surgirão assim novas necessidades de saúde e de apoio social, principalmente de longa duração; e estas mudanças reclamam das políticas da Saúde e da área social, a adoção de uma abordagem que privilegie a satisfação das crescentes carências nesta matéria.

Em todo o mundo o envelhecimento demográfico é um tema de preocupação e de estudo.

Neste contexto assume particular relevância a figura do Cuidador Familiar/Informal que assegura a coordenação e a realização de cuidados necessários, de ordem pessoal, social e de saúde.


A ADVITA e o apoio aos Cuidadores


O Cuidador normalmente não está preparado para realizar a função de Cuidar e necessita de informação que lhe forneça indicações sobre técnicas, comportamentos e procedimentos adequados.

A ADVITA identificou o Cuidador como seu alvo preferencial de intervenção e tem vindo a produzir filmes e manuais, com o objetivo de transpor para o quotidiano da prestação de cuidados, numa linguagem clara e acessível a quem cuida e é cuidado, informação que fomente as competências dos Cuidadores em áreas identificadas como essenciais.

destaques

CUIDAR BEM, FAZER MELHOR

Um kit com manuais e filmes para formar os Cuidadores

CUIDAR BEM, FAZER MELHOR

AJUDAR A CUIDAR

Filmes que ajudam quem trata dos doentes

Video

Utilidades

ADVITA © 2011 – Todos os direitos reservados